top of page

MOVIMENTO em prol da PARADA (Manifesto Polenlítico)






MOVIMENTO em prol da PARADA

(manifesto pólenlítico)


Como é bom sentir a natureza

em todo o seu "silêncio"...

As folhas brincam de conversar

com o vento... e dessa fofoca

eu quero ficar por dentro!

Fico a par das últimas dos elementos

e seus pólenlíticos movimentos.

Sem a doença do verbo humano

carregado de excrementos.

Meu jardim de flores raras

cá regado só pela fonte

que jorra do infinito.

Como é bom saber

que todo esse Universo bonito

tão deslumbrante no fora

também mora inteiro

em meu dentro!




Dayse Kênya, poeta, ex-publicitária e artista plástica, concluiu sua formação em Artes Visuais na Universidade Federal de Goiás. Seu projeto de conclusão, intitulado “Monólogo de muitos”, é uma análise profunda da complexa personalidade de Álvaro de Campos, um dos heterônimos de Fernando Pessoa, marcado por conflitos internos e sua relação tumultuada com o mundo, encapsulado na frase: “Multipliquei para me sentir, para me sentir precisei sentir tudo”. Ao longo de sua carreira, Dayse acumulou mais de 30 premiações em concursos de poesia desde 1989, destacando-se sua inclusão na Antologia Nacional Gilberto Mendonça Teles em 1993 com o poema “Fóssil agônico”, a conquista do primeiro lugar no concurso Kelps de poesia falada em 2004 com “Das duas, duas” e o reconhecimento de seu livro “Talhe verbal”, que obteve o segundo lugar no concurso Novos Valores da Fundação Jaime Câmara. Em 2015, lançou o livro “O Talhe”, com tiragem de 1000 exemplares, seguido pelo lançamento de “CEM MAIS para o momento” em 2021, ambos publicados pela Editora Kelps e recebidos calorosamente pela crítica e leitores.

14 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page